A importância dos programas de longevidade e aposentadoria nas empresas

É estratégico agir sobre o envelhecimento da força de trabalho. Sabendo dos desafios que envolvem ações de diversidade etária, a Maturi promove mais um Meetup no próximo dia 25 de Maio, destacando a importância dos programas de longevidade e aposentadoria nas empresas. 

Também conhecidos como programas de pós-carreira, longevidade ou demissão humanizada, as ações de preparação da vida profissional para os 50+ dentro do mundo corporativo ganham cada vez mais espaço e discussão. No entanto, ainda existem muitos obstáculos a serem vencidos nessa corrida que mais parece uma maratona. A começar sobre ações de conscientização sobre o tema e instrumentalização da liderança para que apoiem seus times nessa jornada, dentre outros. 

“Em pesquisa feita com membros da Comunidade Maturi no Facebook, descobrimos que 90% das pessoas (50+ em busca de novas oportunidades) não tiveram programas de preparação para a aposentadoria em seu último emprego, mas gostariam de ter tido. Para nós ficou clara a diferença que faz para quem passou por um programa como esse: quem não se prepara acaba ficando completamente perdido, o que gera ansiedade e depressão, podendo causar problemas de saúde”, destaca Mórris Litvak, CEO e fundador da Maturi.

E isso afeta os mais diversos cargos numa empresa, incluindo também líderes e executivos. “No momento em que as empresas passam a preocupar-se com a renovação de seus quadros gerenciais delineando um perfil mais “empreendedor”, muitos executivos começam a defrontar-se com o dilema do que fazer no chamado período do “Pós-Carreira”, afirma o Consultor de Programas Pós carreira e escritor de livros sobre o tema, Renato Bernhoeft. 

Ao longo dos últimos trinta anos o especialista vem acompanhado dezenas de executivos que chegam às vésperas da aposentadoria sem um preparo para esta nova e importante fase de sua existência. “A maioria são casos de profissionais que em algum momento das suas vidas abriram mão de realizações pessoais ou familiares, para se dedicarem a uma carreira profissional que os projetasse no mundo dos negócios. Muitos, inclusive, adiaram para um futuro incerto todos seus planos de desfrutar a vida, pressupondo que o sucesso no mundo da organização seria suficiente para satisfazê-los integralmente”, disse Renato. 

Sua empresa está preparada? 

A pirâmide etária vem mudando de formato em ritmo acelerado no Brasil e a maioria das empresas ainda não possui um programa estruturado de preparação dessa transição. 

A aposentadoria pode ser um tanto assustadora para as pessoas. Traz a sensação de liberdade e, ao mesmo tempo, o sentimento de exclusão, de envelhecimento e, em muitos casos, de inutilidade. Por outro lado, as empresas ficam perdidas em como acolher esse público, preparar e reter e gerir o conhecimento acumulado. 

Nesse Meetup, a discussão é sob a ótica estratégica de gestão de pessoas e de conhecimento.

 

aposentadoria

Case Tokio Marine

A promoção da igualdade e diversidade, principalmente a etária, faz parte do dia a dia da seguradora Tokio Marine, que se orgulha de ter 12% do seu quadro formado por pessoas acima dos cinquenta anos, sendo um deles octagenário. 

Com o programa Toque de Vivência, realizado desde 2017, a empresa já ofereceu inúmeras vagas de trabalho para 50+ em cargos como atendente de relacionamento, que começavam como temporários, mas de acordo com a performance e desempenho acabavam sendo contratados. 

Desde então, praticamente quadruplicou o número de colaboradores maduros, atingindo uma taxa de retenção de 82%, o que é incrível para um mercado ainda tão etarista como o Brasil. Lideranças passam por treinamentos de reciclagem que abordam especificamente o pilar faixa etária, abraçado com entusiasmo e dedicação pelo RH da empresa. 

Pensando no envelhecimento de sua força de trabalho, tem realizado ações voltadas não somente na entrada mas também na saída, ou seja, como preparar esse público para a transição de carreira a partir do momento que o grupo desejar.  

Não por acaso a Tokio Marine, sempre está presente nos rankings do GPTW como melhor empresa para trabalhar e nos últimos dois anos também se tornou referência, ficando entre as cinco do país como destaque 50+, exatamente pelos seus programas focados em diversidade etária e preparação para a aposentadoria. 

O case da Tokio Marine, que serve de inspiração para muitos profissionais de RH e DEI é o destaque desta edição do Meetup com o tema “Programas de longevidade e aposentadoria”. O encontro contará com a participação da Gerente de Desenvolvimento Organizacional e Pessoas da empresa, Marcela Vavassori. Além de Mórris Litvak, CEO e Fundador da Maturi e Andrea Tenuta, Head de Novos Negócios. 

*O evento é online, gratuito e exclusivo para empresas. Clique AQUI para se inscrever!

 

Você também poderá gostar de ler: Mercado prateado – Por que o consumidor 50+ é importante para as empresas

Jurandir Siqueira

Jornalista Especialista em Marketing Digital e Novas Mídias. Ajudando a conectar pessoas, empresas e negócios através do digital. Na Maturi, atua como Inbound Expert e SEO Content.
Jurandir Siqueira