Vale a pena ser e ter um estagiário maduro?

O estágio é uma oportunidade de colocar em prática o que se sabe e trazer resultados inovadores para as empresas. Mas será que vale a pena ser e ter um estagiário 50+? 

Google, Stone, GetNet, John Deere, IBM, Nestlé, Bayer, Heineken, Vale, Saint-Gobain. O que estas e mais de 50 empresas tem em comum? Todas estão com seus programas de estágios abertos.

Um dos principais objetivos deste tipo de recrutamento é identificar talentos, contribuindo para que eles desenvolvam suas carreiras com sucesso, agreguem valor a empresa e isto vale para qualquer idade. As organizações já sabem a importância de ter times intergeracionais e também, que identificar as pessoas apenas pela sua faixa etária é limitante e discriminatório.

No mundo corporativo, essa segregação cria uma tensão desnecessária entre pessoas de gerações diferentes e limitam as oportunidades de contratação e retenção de bons profissionais com vasta experiência no mercado de trabalho. Mas para funcionar bem, a abertura deve ser de ambos os lados: tanto de quem está abrindo a vaga como de quem está procurando oportunidades.

E elas estão crescendo. Levantamento do Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) mostra que o volume de vagas de estágio aumentou no 1º semestre deste ano. Foram abertas 108.335 vagas no período, aumento de 26,7% em relação ao 2º semestre de 2020 (85.513) e de 2,1% em relação ao mesmo período de 2020 (116.069). Em relação à idade, 67% tinham idade entre 19 e 25 anos e apenas 9%, 31 anos ou mais.

É importante que se tenha em mente que vagas para estágio exigem formação em andamento, seguindo a Lei de Estágios (L 11.788). Ou seja, é imprescindível a matrícula junto às instituições de ensino e de forma ativa.

Na maioria das vagas, raras as exceções, é exigido compatibilidade entre o curso que o(a) candidato(a) está cursando, com área de atuação. Os contratos tem duração em média de um ano e coincidem com a finalização da graduação.

Ensino Superior – A etapa da formação, os maturis vem superando ano a ano. O Censo da Educação Superior realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação, aponta que o número de idosos matriculados em cursos de ensino superior aumentou 46,3% entre os anos de 2013 e 2017, segundo levantamento mais recente. São 18,9 mil universitários com idades entre 60 e 64 anos em faculdades públicas e privadas.

Embora o aumento de alunos desta faixa etária nos bancos universitários seja crescente, o Censo da Educação Superior de 2019, apontou que apenas 14,3% dos brasileiros de 55 a 64 anos, possuem diploma de ensino superior.

Muitas instituições de ensino superior têm cursos livres e programas de extensão para os idosos. Ou ainda, incentivam o ingresso desse público em cursos regulares de graduação ou pós-graduação.

Outra política de incentivo, veio da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, que aprovou no ano 2019 uma proposta que reserva aos idosos entre 5% e 20% das vagas não preenchidas em instituições de ensino superior.

 

estagiário

 

Com o ingresso na faculdade, vale considerar outros atrativos para um recomeço em grande estilo:

1. O estágio é ótima uma oportunidade de colocar em prática aquilo que está sendo aprendido em teoria na formação acadêmica;
2. Abre portas para uma nova carreira, quando se faz uma transição e também, de retorno ao mercado de trabalho para quem está fora dele por qualquer motivo;
3. Traz oportunidades para uma efetivação no time, caso haja esta possibilidade;
4. Amplia o desenvolvimento comportamental, através da atuação em time e com acompanhamento e suporte de pares e gestores;
5. É uma chance de familiarizar-se com o ambiente de trabalho, melhorando assim seu relacionamento humano e contribuindo com sua formação profissiona;
6. Pode ser uma forma de gerar novas oportunidades no mercado de trabalho, afinal é preciso coragem para se reinventar!
Para as empresas, contratar estes talentos significa, entre outros benefícios, agregar novas habilidades e diferentes perspectivas para executar tarefas. O estudante conta ainda com o respaldo da instituição de ensino e de um corpo docente qualificado para orientar uma visão macro dos desafios e chega cheio de gás.

Geralmente, o estagiário tem uma postura mais pró-ativa e tende a explorar melhor suas habilidades para mostrar bons resultados e destacar em suas tarefas para crescer dentro da empresa. E isso impulsiona também o crescimento dos negócios. Mostram, ainda, interesse em conhecer toda a rotina da empresa e aplicar seu conhecimento teórico no dia a dia de trabalho.

Ao abrir o espaço para os maturis, as empresas:

1. Trabalham a inclusão, de fato, através da preparação dos times e líderes, transformando por vezes a própria cultura organizacional para um reflexo da sociedade brasileira: diversa;
2. Tem a oportunidade de trazer talentos com vivências, grandes experiências, aportando contribuições principalmente pela ativação da criatividade multigeracional;
3. Gera maiores resultados para os negócios, para os times, e também para o desenvolvimento pessoal de cada um;
4. Melhora condições de entender as necessidades dos clientes que fazer parte desta faixa etária;
5. Incluir pessoas de grupos minoritários beneficia toda a sociedade.

O lado das empresas

Muito mais que esta oxigenada na equipe, as companhias contam ainda com vantagens nos aspectos econômicos e jurídicos.

Com a crise sanitária, muitas tiveram que reduzir o quadro de funcionários contratados via CLT. Este regime implica em custos altos com contribuições trabalhistas e previdenciárias a serem pagas. Do outro lado, a contratação de estagiários requer menos investimento em pessoal. Sem vínculo empregatício e com bolsas-auxílio, cujo valor é determinado pela empresa, o estagiário é menos oneroso para a folha. E se a contratação for feita dentro da Lei 11788/2008, não representa riscos trabalhistas (uma vez que se siga o previsto no contrato de estágio – TCE).

Ao tomar a decisão de abrir um programa de estágios, as organizações precisam seguir alguns passos simples, mas que com certeza resultarão em resultados mais satisfatórios:

Estabeleça o perfil do estagiário desejado

Quais as funções o profissional vai cumprir? Que atividades vai exercer? Que tipo de formação é necessária? Combina com a cultura da empresa?
Assim é possível trabalhar bem as expectativas de ambos os lados.

Integre os estagiários à empresa

Após a finalização do processo de seleção e contratação, é muito importante que o time esteja preparado para receber o novo integrante. Não deve haver nenhum tipo de tratamento diferenciado entre o estagiário e os outros funcionários. Todos devem ser sentirem bem-vindos e parte integrante do sucesso da empresa.

Valorize as habilidades do estagiário

Por ser um colaborador com bastante potencial e em qualificação – com a oportunidade de aliar os conhecimentos teóricos à prática do mercado – é importante valorizar as atividades que desempenham. Não dê apenas tarefa simples. Saiba que estão ali para serem desafiados e para entregar o seu melhor. Não os subestime.

Se empolgou? Veja as vagas de estágios disponíveis no site da Maturi.

Fonte: CIEE

Você poderá gostar de ler também: Programas de estágio e trainee para os 50+ são uma tendência?

Regiane Bochichi

Profissional multidisciplinar, especialista em transmídia, com sólida experiência em ações de marketing e conteúdo jornalístico, adquirida em mais de 30 anos de atuação em empresas nacionais e multinacionais do segmento de comunicação tanto em veículos como em agências.
Regiane Bochichi