Quanto mais velhos, mais excluídos!

Se a falta de oportunidades de trabalho já era uma realidade antes da pandemia, agora os maturis fazem parte do indesejável grupo dos excluídos, nas poucas vagas existentes e oferecidas pelas empresas. É o que você vai ler nesse artigo, que é também um desafio para todos nós. Acompanhe: 

O IBGE, por meio da Pnad Covid-19, informou que, em outubro, a taxa de desemprego (razão entre o número de pessoas que buscam vagas e a população economicamente ativa) bateu novo recorde na pandemia subindo para 14,1%. O crescimento é mês a mês, quando a pesquisa começou, em maio, o índice estava em 10,7%.

Em números absolutos, a população desocupada chegou a 13,763 milhões de pessoas em outubro. Há que se considerar que, por definição da Organização Internacional do Trabalho (OIT), só é considerado desempregado quem declara estar em busca de trabalho e não encontra. Mesmo com este grande número de desempregados, o número de ocupados no país cresce desde julho e, em outubro, alcançou 84,134 milhões. A explicação dos pesquisadores do IBGE por esta, aparente, contradição é que a geração de empregos não tem sido suficiente para os desempregados que, após a flexibilização do isolamento social, tentam voltar ao mercado de trabalho.

Desemprego alto e oferta abaixo das necessidades represadas pela situação econômica brasileira mesmo antes do coronavírus chegar por aqui no começo do ano. Portanto, não podemos atribuir somente à pandemia esta condição que deixa tantos sem trabalho, excluídos e em risco social. A incapacidade da economia gerar novas vagas é anterior ao começo de 2020.

Nossa experiência e os dados nos mostram que os efeitos do desemprego não se espalham igualmente pela sociedade brasileira. Alguns grupos são mais penalizados que outros aumentando o desnível da representação social e ocupação de vagas no mercado de trabalho e emprego. Em outras palavras, alguns grupos sociais são mais penalizados que outros.

excluídos

É o caso das pessoas 50+

A Maturi, em março e abril – os 2 primeiros meses de isolamento social -, registrou queda de 80% na busca por trabalhadores. Nos meses de agosto e setembro, houve aumento de 30% na procura em relação a abril, em outubro, a alta chegou a 60%. As altas, no entanto, não foram suficientes para sequer se aproximar do mercado de 2019. A procura está 30% abaixo quando se compara 2020 com 2019 no mesmo período.

Mórris Litvak, CEO da Maturi, em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, afirmou que “O preconceito com os mais velhos acabou se intensificando na pandemia. É algo que já existia bem forte no mercado de trabalho, e agora tem essa ‘desculpa’ de as pessoas serem teoricamente grupo de risco – e eu digo teoricamente porque não é todo mundo que tem 50, 60 anos que é grupo de risco. Muito mais que a idade, depende da condição de saúde”.

Engana-se quem acredita que o fechamento do mercado de trabalho, incluindo o emprego, aos 50+ prejudica somente estas pessoas.

A discriminação prejudica a todos. As demissões ou não contratações de profissionais acima de 50 anos causa grandes prejuízos em toda a economia, pois zera ou reduz a renda de mulheres e homens que sustentam famílias vitimando milhões de pessoas além deles e delas próprias.

Ao falar da exclusão destes e destas profissionais durante a pandemia Mórris Litvak, da Maturi, diz que “Eles já são muito afetados pela falta de valorização dos mais velhos no mercado de trabalho. Com a acentuação disso, além da questão financeira, que afeta logo de cara, também tem o psicológico. Eles ficam com uma baixa autoestima, começam a se sentir inúteis, ficam deprimidos, e isso afeta a saúde”.

Temos pensado e escrito muito sobre o abrandamento desses problemas. Em nossa opinião é necessário um esforço conjunto de governos, universidades, empresas e entidades da sociedade com o objetivo de aumentar as oportunidades de trabalho e emprego por meio da inclusão digital, formação e treinamento em vários setores profissionais com destaque para ciências e tecnologia, criação de programas de mentoria nas empresas, combate ao preconceito etário com o aumento da diversidade nos locais de trabalho.

Acreditamos que estas recomendações, de valorização profissional e social dos 50+, servirão para mitigar este complexo problema dos maturis excluídos.

excluídos

A solução definitiva virá com o despertar da consciência social do importante papel que as pessoas mais velhas podem desempenhar nesta fase em que todos clamam por novos valores ao presenciarmos, segundo a Wikipedia, a morte de mais de 1,5 milhão de pessoas pela Covid-19 e mais de 65 milhões de infectados pelo novo coronavírus.

Lutamos contra um vírus e a favor da volta de oportunidades de trabalho 50+, para que enfim, possamos sair da fila dos excluídos da sociedade.

Você também poderá gostar de ler esse artigo:

Web Summit: tecnologia e inovação também é assunto para maturis

Walter Alves

Consultor social sobre diversidade e inclusão de pessoas 50+ no trabalho. Educador, facilitador em workshops e consultor em programas de diversidade e inclusão. Dedica-se, desde 2012, ao tema longevidade e preconceito etário. Parceiro da Maturi, onde escreve semanalmente para o blog. Produziu e apresentou o programa de entrevistas Trabalho no Futuro.
Walter Alves

Últimos posts por Walter Alves (exibir todos)