O padrão ISO voltado para o envelhecimento sustentável

Participei recentemente de um fórum promovido pelo AAA – Agile Aging Alliance, que reuniu empreendedores e pensadores de vários continentes em esforço conjunto para concretizar um novo padrão ISO, focado na geração de moradias amigáveis para o idoso.

Isso mesmo! Você entendeu corretamente: Existe PADRÃO ISO relacionado ao envelhecimento. 

Confesso que fiquei imensamente surpresa e duplamente empolgada pelo anúncio desse evento.

Um dos motivos foi acompanhar o valioso trabalho que a AAA – Agile Aging Alliance realiza, sempre divulgando e promovendo projetos inovadores que permitam a reinvenção de casas e bairros multigeracionais, para o bem-estar, saúde e a vida independente de seus habitantes.

Outro, pela menção de que tais projetos estão sendo orientados para seguirem os padrões ISO.

padrão iso

Durante a minha carreira profissional pública e privada estive atenta e envolvida em processos de certificação ISO, inclusive na Justiça Federal de São Paulo onde procedimentos de departamentos administrativos e de gabinetes de desembargadores federais foram certificados pela ISO, no caso, ISO 9001.

O padrão ISO tem como objetivo principal aprovar e promover o desenvolvimento de normas internacionais, testes e certificações de empresas e produtos segundo o modelo de gestão da qualidade. Ao saber que projetos destinados ao bom envelhecimento podem ser certificados pela ISO, logo pensei nas inúmeras possibilidades e benefícios que esse sistema de padronização pode proporcionar aos 50+.

Antes mesmo da realização do fórum citado, busquei saber mais sobre os tipos e abrangência das certificações no âmbito de nosso interesse.

Mas, o que é mesmo essa tal de ISO?

A ISO – International Organization for Standardization, é um organismo baseado em Genebra, Suíça, fundada em 1947 mediante a união de 65 delegados de 25 países que decidiram criar um sistema de padronização internacional. Hoje ela é formada por representantes de 91 países, cada um representando um organismo de normas, testes e certificação.

O nome “ISO”, que não significa as iniciais do nome da organização, foi escolhido por significar igualdade. Deriva da palavra grega “isos”, e pode ser usado em qualquer país pois não fica associado às iniciais da Organização Internacional para Padronização seja lá em que língua for.

O padrão ISO ajuda na sustentabilidade do planeta

Obviamente, a ISO acompanha as demandas sociais globais e está preparada para auxiliar empresas e organizações comprometidas em operar de forma socialmente responsável. Para isso foi criada a ISO 26000.

Reconhecidos globalmente como essenciais para a sustentabilidade do nosso mundo, cumprir os ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estabelecidos pela ONU importa na contribuição de todos os elementos da sociedade, incluindo governos locais e nacionais, empresas, indústria e indivíduos, razão pela qual para cada meta, a ISO identificou os padrões que fazem a contribuição mais significativa, por exemplo:

A ISO 26000: 2010 fornece orientação para todos os tipos de organizações, independentemente de seu tamanho ou localização mediante considerar a diversidade social, ambiental, jurídica, cultural, política e organizacional, bem como as diferenças nas condições econômicas, ao mesmo tempo que é consistente com as normas internacionais de comportamento.

 

padrão iso

Padrão ISO para os maturis

Atentos à importância de criar ambientes e oportunidades propícias para nós, os maturis, foram criados padrões ISO que desempenham um papel vital para que isso tudo se torne realidade. Segundo a palavra da multicitada organização padrões Age Friendly podem ajudar a resolver os desafios colocados pelas sociedades em envelhecimento.”

Um exemplo é a ISO 13482 , sobre robôs e dispositivos robóticos criados para ajudar as pessoas nas tarefas domésticas, e melhorar a qualidade de vida de idosos e deficientes físicos, ajudando-os a viver com mais independência.

A ISO 37101 foi elaborada para ajudar na inclusão social e na participação ativa de todos os seus cidadãos maturis.

Diretrizes ISO para a força de trabalho age-inclusive

Cientes de que “para que as pessoas tenham carreiras significativas e produtivas necessário se faz envolver trabalhadores de várias gerações, a ISO está a desenvolver a ISO / DIS 2361 – Ageing Societies Diretrizes para uma força de trabalho age-inclusive. .

“Uma força de trabalho inclusiva quanto à idade pode se tornar mais produtiva e ter uma vantagem competitiva se essas diretrizes forem seguidas, além de aumentar a reputação e a imagem da organização na sociedade.”

Segundo a certificadora, “a aplicação dessas diretrizes pode ajudar a construir uma forte força de trabalho multigeracional e minimizar o risco de discriminação por idade.”

Para a ISO, os benefícios aos trabalhadores mais velhos na organização podem incluir, mas não estão limitados a:

  • reduções no absenteísmo, burnout, turnover, custos de recrutamento e acidentes de trabalho;
  • melhorias em inovações, engajamento, motivação, retenção e produtividade da equipe;
  • sinergia obtida pela ligação de habilidades novas e existentes da força de trabalho que podem aumentar a produtividade da organização e a capacidade de inovação;
  • relação custo-eficácia quando a organização investe em habilidades e saúde para uma força de trabalho age-inclusive;
  • resolver a escassez de mão de obra; e
  • melhorar a imagem corporativa da organização.

AAA ISO Ageing Societies Leaders Fórum

Além das normas ISO citadas, muitas outras podem ser usadas por empreendedores integrantes da economia prateada, e assim proporcionarem qualidade aos adultos mais velhos e suas famílias, como as apresentadas no AAA ISO Ageing Societies Leaders Fórum. 

Nesse inusitado congresso, Ian Spero, fundador da Agile Ageing Alliance (AAA) uniu forças com membros do Comitê Técnico ISO Aging Societies, Nathan Taylor e Nele Zgavc. para construirem um novo padrão ISO que visa:

Acelerar a construção de uma nova geração de moradias age-friendly, socialmente integradas em bairros multigeracionais, empregando tecnologias inovadoras, modelos de negócios e serviços, para melhorar a saúde e o bem-estar de seus habitantes, e outros benefícios.

Nesse link você poderá conhecer a agenda do Fórum, seus participantes e iniciativas que estão a nortear a formatação de novos padrões ISO Ageing Societies no tocante à habitação do futuro.

Para finalizar o nosso estudo de hoje, apresento outras diretrizes ISO para a sua consulta.

ISO / DIS 23617 – Ageing societies — Guidelines for an age-inclusive workforce

ISO / DIS 23623 – Ageing Societies — Framework for Dementia-inclusive communities

ISO / DIS 23889 – Ageing societies – Guidelines for carer-inclusive organizations

Silvia Triboni

Editora e Produtora de conteúdo em Longevidade e Turismo. Fundadora do projeto Across Seven Seas, que divulga ao público 50+ informações e experiências para envelhecimento com relevância. Deputy Ambassador na Aging2.0 Lisboa, comunidade destinada à acelerar a inovação para enfrentar os desafios e oportunidades do envelhecimento.
Silvia Triboni

Últimos posts por Silvia Triboni (exibir todos)