Pratique Gestão com Pessoas: Um recado aos líderes em quarentena

Seja você CEO, gestor ou gerente de uma pequena, média ou grande empresa você sabe que gerir pessoas representa uma das tarefas mais difíceis – quiçá a mais difícil – entre todas aquelas que você realiza, especialmente se não tiver habilidades de liderança ou experiência prévia. Mas o que importa é que todos aqueles que querem, ou seja, estão motivados, podem sim se tornar líderes.

Digo se tornar porque ter tido a incrível ideia de abrir uma empresa ou ser designado como diretor ou chefe não os torna, automaticamente, líderes. E é por isso que observamos, muitas vezes, equipes que possuem o líder formal – aquele que se atribuiu ou que recebeu o dever de liderar – e o líder informal, aquele que nunca recebeu o cargo, mas é quem de fato lidera pois a opinião dele é a mais respeitada pelos integrantes da equipe e é quem de fato inspira os demais.

Apesar do #ficaemcasa ter sido indicado há quase um mês aqui em Brasília, percebo ainda muitos líderes confusos, perdidos e, caso você se reconheça como tal, não se sinta mal por isso. Fomos indicados ao teletrabalho sem aviso prévio e respeitar o seu tempo de digerir todas essas mudanças é fundamental. Por isso, compartilho com você sete comportamentos-chave de um verdadeiro líder neste momento:

  1.     Não demita. Seus funcionários “dedicam suas vidas, todo dia, ao sucesso do seu negócio”, afirma o manifesto defendido por 40 grandes empresas brasileiras: https://www.naodemita.com/ – Lembre-se da sua responsabilidade social diante das vidas de seus funcionários e suas famílias. Recorde-se também de que será mais dispendioso treinar novos colaboradores depois. Faça sua parte, assine e divulgue o manifesto #nãodemita.
  1.     Escute seus colaboradores. Ao invés de ver seus funcionários como um custo difícil a ser pago, enxergue-os como colaboradores. Como eles estão enfrentando esse momento e como podem colaborar? O medo de ouvir o que eles têm a dizer não pode ser maior que reconhecer a importância em escutá-los. Se sua empresa for pequena, você pode agendar uma conversa virtual individual ou em subgrupos. Se for grande, pode fazer uma pesquisa via Google Forms. Se a sua empresa não sabe como construir um questionário, conduzir e avaliar uma pesquisa, peça uma consultoria à Maturi. Nós oferecemos esse serviço.
  2.     Adapte seu produto/serviço para a realidade digital. Sabemos que essa redefinição é mais fácil para alguns empreendimentos, como os das áreas de educação, saúde e entretenimento, e muito mais difícil para outros que dependem da interação física, como os do setor de beleza e turismo. Mas não permita que essa dificuldade o impeça de fazer esse levantamento de ideias. Você também pode aproveitar esse momento para redefinir o planejamento estratégico da sua empresa, para capacitar os funcionários via cursos online ou, ainda, para investir tempo no desenvolvimento de um produto completamente novo. O que importa é não ficar parado.
  3.     Esqueça a descrição de cargos. Esse movimento já vinha acontecendo e agora está mais explícito: os cargos devem ser desconstruídos em tarefas. Os seus garçons vão começar a gravar vídeos com os destaques do cardápio; os agentes de viagem vão começar a escrever sobre os museus e concertos online. Mais uma vez: pergunte o que cada um sabe fazer que poderia contribuir nesse momento. Registre essas competências em uma planilha: pronto, você já deu um primeiro passo em prol da promoção da gestão do conhecimento da sua empresa.
  4.     Adote novas ferramentas de trabalho. Para que a gestão e a comunicação interna fluam diariamente com eficácia, mesmo à distância, é importante definir ferramentas de organização de tarefas e projetos, de comunicação síncrona e assíncrona, de gestão financeira, entre outras. Conheça as principais nesta live apresentada pelo CEO da Maturi, Mórris Litvak.
  5.     Esteja presente para seus clientes. Se a sua empresa ainda não tem ou não atualizava o site e as redes sociais, não importa qual seja seu produto ou serviço, chegou o momento de criá-lo(s) e mantê-los ativos. Blog, Facebook, Instagram, Youtube ou LinkedIn, avalie e invista naquelas redes que são mais utilizadas pelo seu público. Há diversos canais digitais de venda, também, vale a pena pesquisar.
  6.     Estude sobre liderança. Não tem como se tornar um líder transformacional, democrático, situacional e/ou carismático sem saber o que isso significa. Leia as obras sobre liderança escritas por Laszlo Bock, Daniel Goleman, Marshall Goldsmith, Simon Sinek, Warren Bennis ou sobre líderes brasileiros que te inspiram e você com certeza vai se sentir mais seguro para saber quando e como falar, convocar, decidir, designar.

Ainda adotamos com frequência o termo RH porque ele é simples, prático, se popularizou, a gente se acostumou com ele. Entretanto, desde que os estudos científicos da psicologia organizacional e da administração passaram a revelar que o bem-estar dos trabalhadores influencia positivamente o desempenho e a produtividade, tal área passou a ser designada gestão de pessoas. Por isso, esse é um excelente momento para mostrar que você vê quem trabalha para você como seres humanos e não apenas como recursos (humanos).

Brincando ainda com os termos, vá além como líder e mostre que daqui em diante você não vai mais praticar a tradicional gestão de pessoas (passivas, que fazem parte), mas sim a estratégica gestão com pessoas: ativas, engajadas, que pensam, sentem e que representam o bem mais precioso da sua empresa.

Juliana Seidl

Juliana Seidl, psicóloga, mestre e doutora em Psicologia Social, Organizacional e do Trabalho. Fundadora e consultora da Aposentadoria Plena e parceira da Maturi
Juliana Seidl