Wellington Nogueira será o mestre de cerimônias do MaturiFest 2021

A 4ª edição do MaturiFest vai contar com a apresentação do ator e empreendedor social Wellington Nogueira.

Atenção, carinho, planejamento, muitas reuniões on-line, discussões, convites. Tem um zum-zum-zum acontecendo por aí para colocar de pé a quarta edição do MaturiFest, o maior festival de trabalho e empreendedorismo 50+ do País. E desta vez, vai ter repeteco da parceria com o palhaço e fundador da ONG Doutores da Alegria, Wellington Nogueira que será o mestre de cerimônias mais uma vez.

Na época, em 2019, a estreia do festival aconteceu, claro, presencialmente, mas também com um desafio: foi em dois lugares: no InovaBra habitat, centro de tecnologia e startups do Bradesco e na Unibes Cultural, ambos na cidade de São Paulo.

“O evento foi sensacional, necessário e definitivamente com um tremendo gosto de quero mais, preciso de mais, porque essa consciência sobre maturidade está só começando e ainda tem muito espaço a ser conquistado”, lembrou o ator. Ele, também. elogiou a organização: “A maneira como esse evento foi feito, organizado, pensado, com preocupação, empatia e principalmente uma execução primorosa”.

Mais de 900 pessoas de todas as idades participaram das palestras, workshops e rodas de conversa sobre temas como mudança de carreira, autoconhecimento e propósito, startups, comportamento digital, além de técnicas e dicas de como dominar ferramentas digitais e ter sucesso nas redes sociais.

 

wellington nogueira

Ao vivo e on-line

Agora o céu é limite. Pelo segundo ano consecutivo, será tudo on-line e caberá a Nogueira segurar a audiência grudada na telinha do computador ou celular. “O importante é se jogar, sem muitas expectativas, mas com muito charme e borogodó. Eu confio muito no improviso. No primeiro, a gente preparou um monte de coisa. Chegando lá deu uma liga tão sensacional que fui criando. Então, mesmo on-line, de repente pinta um personagem, uma brincadeira, uma charada”.

Traquejo é que não lhe falta. Atuou em teatro musical, cinema e circo. Sua vida profissional está intrinsecamente ligada ao Doutores da Alegria, organização pioneira em levar palhaços a hospitais para atuar junto a crianças, seus pais e profissionais de saúde que fundou em 1991.

Atualmente, não exerce mais um cargo executivo. Depois de dois anos de um processo de planejamento estratégico, montou-se uma nova diretoria e, agora, seu papel é de embaixador e orientador. “Sou aquele que ouve, faz perguntas, indica caminhos e me relaciono com o mundo externo. Como sócio-fundador, jamais sairei do Doutores da Alegria, estou fazendo e criando palestras, abrindo novas frentes para mim e para a ONG”.

Os 25 anos à frente da organização internacionalmente reconhecida por sua inovação sócio-cultural, chamou a atenção da Ashoka, organização pioneira em criar e cunhar o campo do Empreendedorismo Social, baseada em Washington DC, presente em 90 países, com mais de 4000 fellows pelo mundo e de cujo Conselho, aqui no Brasil, Wellington faz parte. Em 2018, concorreu a Deputado Federal e ficou entre os 10% mais votados do estado de São Paulo.

“Não foi desta vez, mas não tem importância, porque sei que posso fazer a diferença de onde eu estiver atuando. E acredito muito que o Brasil tem cura. Mas, antes de sarar da infecção, tem aquele momento que o corpo produz um pus e põe tudo o que é ruim para fora. Sinto que o Brasil está nesse momento. Uma vez que tiver desinfetado tudo, começamos realmente ver o processo de curar acontecer”, frisa o empreendedor social.

Atualmente, dedica-se aos campos de ludicidade, trabalho e futuro. Nogueira tem uma vasta experiência em ludicidade, termo originado da palavra latina “ludus”, que significa jogo ou brincar. Em tempos turbulentos como o mundo atravessa com a pandemia do coronavírus, o hospital se tornou global. “Todos brincaram alguma vez na vida porque fomos criança um dia. A coisa mais estapafúrdia e na verdade, a maior conexão com a nossa capacidade de brincar é responsável pela manutenção da nossa saúde mental principalmente, na vida jovem e na vida adulta”.

Com 60 anos, é prova de que o riso faz bem. Encaixado na gavetinha de grupo de risco, entrou na fila da primeira leva dos vacinados. A atendente do posto brincou que ele não tinha cara de idoso. “É porque gosto de dar risadas”, respondeu.

Não dá bola para o preconceito etário e frisa que a maior parte dos grandes gênios e sábios surgiram na maturidade. Na sua opinião, o melhor momento da vida é agora. “Tenho contato com a alegria há muito tempo. E o que eu quero como esta participação no Maturifest, é gerar essa conexão. É levar alegria, esperança e acima de tudo, vontade de continuar amadurecendo. Então até lá ou qualquer hora em edição extraordinária”.

 

wellington nogueira

 

Você ainda não se inscreveu no MaturiFest 2021? O festival é gratuito para o público, mas há a opção do ingresso solidário com valores revertidos como doação para organizações que apoiam idosos e crianças em vulnerabilidade social.

Serviço | MaturiFest 2021
Data: de 26 a 29 de julho, das 14h às 20h30

Inscrições gratuitas: maturifest.com

Assista abaixo os melhores momentos do evento realizado em 2020:

Regiane Bochichi

Profissional multidisciplinar, especialista em transmídia, com sólida experiência em ações de marketing e conteúdo jornalístico, adquirida em mais de 30 anos de atuação em empresas nacionais e multinacionais do segmento de comunicação tanto em veículos como em agências.
Regiane Bochichi