ONU lança campanha de combate ao idadismo

Fomos a fundo no Relatório Global da ONU sobre Idadismo e destacamos o que você precisa saber. Acompanhe:

Em janeiro deste ano escrevi sobre o lançamento pela Organização das Nações Unidas (ONU) da Década do Envelhecimento Saudável (2021-2030), uma inédita oportunidade para que sociedade civil pública e privada se unisse de forma coordenada e colaborativa com o objetivo de melhorar as vidas dos maturis, de suas famílias e das comunidades em todo o mundo.

Mencionei que para concretizar os planos para efetivação desta grande década buscavam contribuições de todas as partes interessadas e que noticiariam sobre o andamento dessa construção. Pois bem! Já temos resultados deste plantio: o lançamento da Campanha Global de Combate ao Idadismo.

Em 18 de março de 2021, a ONU divulgou o Relatório Global sobre Idadismo com 202 páginas plenas de informações e dados de inúmeros países acerca desta chaga que ameaça a vida de pessoas de todas as idades, não só dos maturis.

Este relatório, após definir a natureza do preconceito de idade, apresenta evidências sobre os impactos e as determinantes do preconceito de idade e as estratégias mais eficazes para reduzi-lo. Conclui com três recomendações de ação, baseadas em evidências, que servirão para criar um mundo para todas as idades.

O trabalho pela Década do Envelhecimento Saudável continua, e a nossa participação deve ser constante e concreta se quisermos um mundo melhor.

Em adição à divulgação do citado relatório e ao lançamento da Campanha Global de Combate ao Idadismo, a Organização Mundial de Saúde fornece um toolkit repleto de fotos, vídeos e slides para que nós participemos do movimento divulgando tais materiais em nossas redes de contato. Vale a pena ver!

idadismo

O preconceito de idade prejudica nossa saúde e bem-estar e constitui um grande obstáculo à formulação de políticas eficazes e a adoção de medidas relativas ao envelhecimento saudável, razão pela é urgente que TODOS NÓS MATURIS abracemos esta causa.
Conheça o resumo dos principais apontamentos constantes do relatório:

Determinantes do Idadismo

Fatores que aumentam o risco de alguém ser vítima do idadismo:

✔ ser mais jovem;
✔ ser homem;
✔ ser ansioso sobre a morte, e
✔ ter educação precária.
Fatores que reduzem o risco de idadismo, tanto contra os jovens quanto contra os idosos:

✔ Fatores de personalidade e maior contato intergeracional.
Fatores que aumentam o risco de ser objeto de preconceito de idade são:
✔ ser mais velho,
✔ precisar do cuidado dos outros,
✔ ter uma menor expectativa de vida saudável no país, e
✔ trabalhar em determinadas profissões ou setores ocupacionais, como setores de alta tecnologia ou hospitalidade.
“Um fator de risco para ser sujeito a preconceito de idade contra pessoas mais jovens é o fato de ser mulher.”

Natureza do Idadismo

O Idadismo se refere a:
estereótipos (como pensamos);
preconceito (como nos sentimos), e
discriminação (como agimos) em relação às pessoas com base em sua idade.

“O idadismo pode ser institucional, interpessoal ou auto-infligido.”

Escala do Idadismo

O preconceito de idade está presente em muitas instituições e setores da sociedade, como por exemplo entre os prestadores de cuidados de saúde, no local de trabalho, na mídia e no sistema jurídico.

“Globalmente, uma em cada duas pessoas tem idadismo contra os idosos”.

Na Europa, que é a única região para a qual os dados estão disponíveis, “uma pessoa a cada três afirmam ter sido objeto de preconceito de idade, e os jovens afirmam ter sentido mais discriminação por idade do que outras faixas etárias.”

Efeitos do idadismo

O preconceito de idade tem consequências sérias e de longo alcance para saúde, bem-estar e para os direitos humanos das pessoas.

Três estratégias pra reduzir o idadismo:

Do trabalho realizado, três estratégias se mostraram eficazes na redução do preconceito etário: política e legislação, atividades educacionais e intervenções para contato intergeracional.

1 – POLÍTICA E LEGISLAÇÃO

Políticas e leis podem ajudar a reduzir o preconceito etário contra qualquer faixa etária.

2 – INTERVENÇÕES EDUCACIONAIS

Intervenções educacionais para reduzir o preconceito de idade devem ser incluídas em todos os níveis e modalidades de ensino, desde o ensino básico à universidade, e em contextos educacionais formais e não formais.

3 – INTERVENÇÕES PARA CONTATO INTERGERACIONAL

Da mesma forma, é necessário investir em intervenções para que haja mais contato intergeracional que visam promover a interação entre pessoas de gerações diferentes.

idadismo

Três ações para a campanha global de combate ao idadismo

A ONU oferece essas recomendações têm como objetivo ajudar partes interessadas na redução do idadismo.

Orientam a sua aplicação ao afirmar a necessidade de compromisso político, da participação de diferentes setores e agentes, de adaptações específicas para cada contexto. Sugerem que tais recomendações devem ser aplicadas em conjunto, sempre que possível, para maximizar seus efeitos sobre o preconceito de idade. São elas:

1 – Invista em estratégias baseadas em evidências para prevenir e combater o idadismo.

É necessário priorizar as três estratégias mencionadas acima, sempre apoiadas por evidências científicas, e previamente testadas.

Para alcançar uma mudança real na população, essas estratégias devem ser expandidas ao máximo.

2 – Melhore os dados e pesquisas para entender melhor o idadismo e poder reduzi-lo.

“Melhorar a nossa compreensão sobre todos os aspectos do idadismo – sua escala, seus efeitos e seus determinantes – é um pré-requisito para reduzi-lo, tanto quando se manifesta contra os jovens quanto contra as pessoas mais velhas.”

3 – Crie um movimento para mudar o discurso sobre a idade e o envelhecimento.

Todos nós podemos contribuir para enfrentar e eliminar o preconceito etário.

Governos, organizações da sociedade civil, agências das ONU, organizações de desenvolvimento, instituições acadêmicas e de pesquisa, empresas e pessoas de todas as idades podem se juntar ao movimento para reduzir o preconceito etário.

Ao nos unirmos em uma ampla coalizão, podemos melhorar a colaboração e a comunicação entre as diferentes partes interessadas na luta contra o preconceito etário.

Mãos à Obra!

É hora de dizer não ao preconceito de idade.

O Relatório Global sobre Idadismo descreve a forma como combatê-lo e, portanto, de contribuir
para melhorar a saúde, aumentar as oportunidades, reduzir custos e permitir que as pessoas prosperem em qualquer idade.

Se governos, agências governamentais, organizações de desenvolvimento, instituições da sociedade civil, criarmos estratégias e investirem em novas pesquisas, e se nós todos, e comunidades aderirmos à Campanha Global pelo Combate ao preconceito etário, vamos todos criar um mundo melhor para todos as idades. MÃOS À OBRA!

Gostou desse artigo? Comente abaixo e compartilhe!

Silvia Triboni

Editora e Produtora de conteúdo em Longevidade e Turismo. Fundadora do projeto Across Seven Seas, que divulga ao público 50+ informações e experiências para envelhecimento com relevância. Deputy Ambassador na Aging2.0 Lisboa, comunidade destinada à acelerar a inovação para enfrentar os desafios e oportunidades do envelhecimento.
Silvia Triboni

Últimos posts por Silvia Triboni (exibir todos)