MaturiDay traz conhecimento, inspiração e incentivo para empreender

Diretor-superintendente do Sebrae SP, Wilson Poit, adianta em entrevista exclusiva para o blog Maturi, temas que vai abordar na palestra do MaturiDay “Uma boa hora para começar a empreender”.

Como empreender em tempos de crise, como se preparar e atuar profissionalmente para sobreviver em meio a tantas incertezas? Essa é o tema da próxima edição do MaturiDay que acontece nesta quinta-feira (01/10) de forma 100% digital e gratuita, a partir das 18h, no Dia Mundial do Idoso.

Na recente pesquisa que a Maturi fez entre seus cadastrados, um dos pontos que mais se destacou foi a transformação do mercado de trabalho para o público 50+ sendo que o empreendedorismo aparece como uma das opções mais viáveis em um cenário futuro e promissor. Por isso, o evento dá início à “Jornada do Empreendedorismo Maturi”, com uma trilha de materiais, com conteúdos práticos e dicas para os maduros aprenderem a abrir ou tocar seu próprio negócio.

E para dar o pontapé em grande estilo, o diretor-superintendente do Sebrae SP, Wilson Poit, que também é um empreendedor reconhecido pela Endeavor e autor do livro “O não você já tem, então vão à luta”, dará a palestra “Uma boa hora para começar a empreender”. E se ele está dizendo, é bom prestar a atenção, afinal é especialista, mentor de pequenas e médias empresas, focado em estratégias de negócios e aprendeu tudo na prática.

MaturiDay Empreender
Wilson Poit – Diretor do Sebrae SP

Sua trajetória de vida começa em uma infância pobre em Rinópolis, no interior de São Paulo, até chegar na venda, em Londres, de sua última empresa, a Poit Energia, em 2012, por cerca de R$ 400 milhões, depois de outros cinco negócios nem tão bem sucedidos assim. “Reforço que não é preciso nascer empreendedor; você pode se tornar empreendedor a qualquer tempo e conseguir bons resultados”, comenta. “Tenho certeza de que o MaturiDay será uma oportunidade excelente para ampliar a visão de quem pensa em empreender e está atrás de conhecimento, inspiração e incentivo”

Para o aquecimento, antes de entrar em campo, em entrevista exclusiva para o blog Maturi, Poit fala quais as habilidades necessárias para empreender e com o Sebrae está aberto para fazer tabelinha para quem quer começar ou ampliar ser negócio.

Blog Maturi: Empreender se tornou quase um mantra. Realmente é uma atividade que serve para todos?

Wilson Poit: Há quem acredite que para empreender é preciso nascer empreendedor. Não vejo dessa forma. Empreender é algo que pode ser aprendido. Claro que se a pessoa tiver um talento nato para negócios vai ser melhor. Porém, empreender é uma atividade racional, que requer qualificação, planejamento, poder de observação, técnica e muita dedicação. Mesmo quem tem talento precisa se capacitar para poder direcionar suas habilidades ou elas serão desperdiçadas. Comandar um negócio também é saber reunir no seu time pessoas com características diferentes e complementares para poder delegar tarefas a elas e assim tocar o negócio. Por fim, empreender é uma questão de atitude.

No seminário Empretec, criado pela ONU e ministrado no Brasil com exclusividade pelo Sebrae, são desenvolvidos os comportamentos essenciais para quem quer empreender. São eles: busca de oportunidades e iniciativa; persistência; saber correr riscos calculados; exigência de qualidade e eficiência; comprometimento; busca de informações; estabelecimento de metas; planejamento e monitoramento sistemáticos; persuasão e rede de contatos; independência e autoconfiança. Ao trabalhar essas características, o dono ou futuro dono de um negócio terá muito mais chance de sucesso.

Obviamente, há pessoas que podem não ter interesse em empreender, afinal o ser humano tem inteligências diferentes para diferentes campos de atuação. Mas reforço que não é preciso nascer empreendedor; você pode se tornar empreendedor a qualquer tempo e conseguir bons resultados.

Blog Maturi: O senhor empreendeu logo cedo, mas disse que o salto aconteceu depois dos 40 anos. A maturidade ajudou neste sucesso?

Wilson Poit: Sem dúvida. A maturidade e a experiência fazem muita diferença. O jovem tem aquele ímpeto de fazer e acontecer, mas, às vezes, corre o risco de pecar por falta de uma visão mais ampla de como realizar seus projetos. A vida acaba sendo uma sucessão de tentativas e erros e vamos aprendendo para não repetir as falhas. Eu tive vários negócios que andaram de lado até conseguir montar a Poit Energia e fazer dela uma empresa de sucesso. Minha infância pobre em uma cidadezinha do interior de São Paulo, onde eu vivia em uma casa sem eletricidade e via meus pais batalhando para sustentar a família, foi uma grande escola.

Meus pais foram um exemplo de determinação e daí surgiu em mim a vontade de trabalhar por conta própria. Tive minha primeira empresa, de instalações elétricas, aos 26 anos. Ao mesmo tempo, abri uma loja de material elétrico e hidráulico. Sem planejamento, as vendas foram mal e tive de me desfazer do negócio. Não planejar foi um típico erro cometido por falta de maturidade. Ao mesmo tempo, esses acontecimentos reforçaram em mim a importância de ser perseverante, além de me dar uma visão mais ampla e saber reconhecer uma oportunidade.

Blog Maturi: O senhor fala em prazer de realizar. Isso é possível mesmo quando se empreende por necessidade?

Wilson Poit: Quando se empreende por necessidade, o objetivo é um só: ganhar dinheiro para se sustentar. De acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), de 2019, 82,8% dos empreendedores iniciais na faixa de 55 a 64 anos disseram que o principal – não o único – motivo para empreender foi “para ganhar a vida porque os empregos são escassos”. Já 31% dos empreendedores nessa faixa etária declararam que a escassez de empregos foi a única motivação para montar um negócio. Mas, empreender por necessidade não é o ideal.

O empreendedor por necessidade, frequentemente, começa o negócio sem o planejamento adequado, porque não teve tempo para se preparar, mas tinha urgência em solucionar seu problema financeiro. Se esse empreendedor conseguir sobreviver à fase inicial – que é a mais difícil – acredito que, em um segundo momento, ele vai perceber que empreender não se limita a ganhar dinheiro. Empreender é realizar, é construir algo com o seu toque pessoal, ter autonomia para decidir que caminho seguir e, por que não, deixar um legado. Nessa hora, ser dono de um negócio começa a ganhar outra dimensão e torna-se uma atividade prazerosa. Seja no empreendedorismo por necessidade ou por oportunidade, um conselho que dou é: trabalhe com algo com que você se identifique e goste.

Blog Maturi: O senhor sempre fala da importância em saber diferenciar faturamento x lucro. Como ficar de olho no caixa e ao mesmo tempo cuidar das outras áreas da empresa?

Wilson Poit: Faturamento alto não significa lucro alto se a empresa tiver um volume também alto de gastos. Nas empresas pequenas, geralmente o dono é obrigado a fazer de tudo: cuidar das finanças, da gestão, das vendas, do marketing etc. Porém, o bom gestor sabe se dividir e conduzir todos os aspectos do negócio. É o que ensinamos no Sebrae: como administrar bem a empresa.

Mas é importante ressaltar que sempre que o dono de uma micro ou pequena empresa puder ter gente capacitada trabalhando com ele, será melhor, pois poderá delegar tarefas e se dedicar mais às estratégias do negócio do que ao lado operacional. A boa gestão acaba facilitando administrar a empresa como um todo. De qualquer forma, ele tem de estar ciente de que é necessário dedicar muito tempo e esforço; mas o gestor competente e preparado consegue dar conta de tudo.

Blog Maturi: Para empreender o senhor cita 3 pontos: saber quem é, no que é bom e quem conhece. Como identificar esses e pontos de forma assertiva? Networking é mesmo um ponto alto a ser considerado? Por quê?

Wilson Poit: “Saber quem é” é ter consciência de si e do que pretende realizar e do que precisa para chegar lá. “Saber no que é bom” é estar ciente do que você é capaz. Todo mundo é bom em alguma coisa, todo mundo sabe no que é forte e é isso que deve ser aproveitado por quem empreende. É muito ruim passar anos fazendo algo que não gosta só por causa do salário. A pessoa se frustra e acaba procurando culpados – a família, o governo, o país, enfim, a culpa é sempre do outro.

Quanto ao “quem conhece”, é valorizar o networking. Tem gente que conhece 20, 50 pessoas e pode contar com elas em diferentes momentos e situações. O networking é importante para aproveitar oportunidades profissionais, obter ajuda e conseguir enfrentar os desafios. O dono de um negócio não pode se isolar. Ele deve conhecer pessoas, manter contatos porque daí podem surgir possibilidades de negócios, de trocas conhecimento e ideias para seu empreendimento.

Blog Maturi: Identificando o setor/negócio para empreender, basta ter foco para se dar bem?

Wilson Poit: Ter foco é muito importante. Eu, durante um tempo, atirei para todos os lados. O resultado foi que minhas empresas não tiveram sucesso, apenas andavam de lado. Mas quando foquei – a Poit Energia fornecia serviço completo no aluguel de geradores, do cabeamento aos profissionais de plantão, além das máquinas – a coisa progrediu.

Além disso, aprendi a diferença entre gestão e propriedade. A maioria dos empreendedores acha que têm de comandar pessoalmente a empresa. Como acham que só eles podem ser gestores dos seus negócios, passam a vida a vida toda com ciúmes da empresa, não tiram férias, não delegam. A minha empresa só deslanchou a partir do momento que contratei pessoas melhores do que eu para trabalharem nela.

Blog Maturi: Aliás, ao manter um foco, o senhor não acredita que podemos perder outras oportunidades ao redor ainda mais em um cenário tão fragmentado como vivemos hoje?

Wilson Poit: Manter o foco significa ter rumo e, ao mesmo tempo, ter uma visão macro do negócio e pensar estrategicamente. Quando você tem essa visão ampliada, você mantém sua empresa nos trilhos e, ao mesmo tempo, consegue enxergar ao redor e identificar as oportunidades. Ter foco não é se fechar no seu mundo e ignorar o que acontece no mercado, mas seguir firme no seu propósito e atento ao que está em volta.

Blog Maturi: O senhor também atuou muito no governo. Como acha que o poder público pode ajudar os maturis a empreender?

Wilson Poit: O poder público pode ajudar muito construindo um ambiente cada vez mais favorável ao empreendedorismo. Políticas públicas que incentivem as micro e pequenas empresas sempre serão bem-vindas. O Sebrae-SP lançou recentemente um guia para os candidatos a prefeito e a vereador nas próximas eleições com orientações de como eles podem incluir o empreendedorismo em suas agendas. A ideia é que ao serem eleitos, adotem práticas que apoiem os pequenos negócios.

Há uma série de medidas que eles podem tomar que contribuem para impulsionar as micro e pequenas empresas e aquecer a economia local, gerar renda, postos de trabalho e elevar a arrecadação. Poder público e empreendedorismo podem caminhar juntos também nas compras governamentais. Desde agosto, está no ar a plataforma Compras Públicas SP. Essa ferramenta rastreia e disponibiliza editais de compras de prefeituras e órgãos federais e estaduais para pequenas empresas cadastradas no portal por meio do convênio entre Sebrae-SP e a govtech Portal de Compras Públicas. Isso facilita o acesso das pequenas empresas a licitações, ampliando as possibilidades de negócios entre elas e as diversas esferas governamentais.

O Sebrae-SP tem, também, parceria com o governo do Estado no programa Empreenda Rápido, que oferece capacitação técnica e de gestão, acesso a crédito barato e ao mercado para o empreendedor. Essas iniciativas servem de impulso ao empreendedorismo, que por natureza, está aberto às pessoas de qualquer idade. Aliás, esse é um dos méritos do empreendedorismo: ser democrático e estar ao alcance de todos, seja o jovem, seja alguém com 50 anos ou mais. Já o mercado de trabalho, infelizmente, muitas vezes vira as costas para quem atingiu uma certa idade. Portanto, se a pessoa mais experiente não consegue recolocação, o empreendedorismo é sempre uma possibilidade. E o empreendedorismo apoiado pelo poder público se fortalece e oferece oportunidades para todos.

Blog Maturi: O Sebrae tem algum curso específico para maturis?

Wilson Poit: Quem quiser empreender, independentemente da idade, vai encontrar no Sebrae uma variedade de programas, cursos e orientações para se tornar um empreendedor bem-sucedido. Os desafios, riscos e oportunidades do empreendedorismo não estão atrelados à idade. Nosso portifólio abrange todos os aspectos para fazer uma gestão competente. Qualquer que seja a dúvida de quem nos procura, estamos prontos para dar a orientação necessária, seja no caso de finanças, marketing, vendas, gestão de pessoas etc. Tecnologia, tema considerado sensível aos mais experientes e que ganhou ainda mais relevância com a pandemia, também está contemplada nas nossas ações.

O empreendedor mais velho pode contar com o Sebrae antes de abrir a empresa e durante toda a sua trajetória. O importante é que ele não embarque nessa jornada sem se preparar e, nesse sentido, o Sebrae é seu braço direito.

Blog Maturi: Qual será o principal tema abordado na palestra do MaturiDay para quem quer empreender?

Wilson Poit: Vou falar sobre o que é preciso para empreender com segurança, como o Sebrae pode ajudar, da minha experiência como empresário e o que aprendi em todos esses anos à frente de um negócio. Tenho certeza de que o MaturiDay será uma oportunidade excelente para ampliar a visão de quem pensa em empreender e está atrás de conhecimento, inspiração e incentivo.

Não dá para perder! INSCREVA-SE AQUI. As vagas são limitadas.

Assista o vídeo do Morris Litvak (CEO da Maturi) convidando para o evento:

Confira a programação completa:

18h – Abertura da sala de Zoom e dinâmica inicial de aquecimento com enquetes
18h30 às 19h20 – Palestra de Wilson Poit
19h20 às 19h35 – Perguntas ao vivo do público
19h35 às 19h50 – Momento Pitch, com maturis empreendedores selecionados
20h às 20h50 – Networking em grupos
20h50 às 21h – Encerramento com sorteios

O MaturiDay conta com o patrocínio de Nutren Senior da Nestlé e o apoio do Agibank. Parte do valor arrecadado será destinado a Liga Solidária, uma ONG centenária que oferece inclusão digital para pessoas idosas em situação de vulnerabilidade social.

Quer deixar algum comentário? Tem alguma sugestão para quem precisa empreender após os 50+? Sua opinião é muito importante para nós!

Você poderá gostar de ler também:

15 habilidades para te ajudar a encontrar trabalho e onde aprende-las 

Eu vou participar do MaturiDay. E você? 

Deixe o piloto automático e viva o aqui e agora: mindfulness

Nos vemos no MaturiDay. Até o próximo artigo!

Regiane Bochichi

Profissional multidisciplinar, especialista em transmídia, com sólida experiência em ações de marketing e conteúdo jornalístico, adquirida em mais de 30 anos de atuação em empresas nacionais e multinacionais do segmento de comunicação tanto em veículos como em agências.
Regiane Bochichi